SEJAM BEM VINDOS

SEJAM BEM VINDOS

Quando passar por aqui, deixe suas pegadas marcadas num recado.

Fogão de lenha

Saudade...

E eu te pergunto: Onde está aquele chapéu que saia de manhã e voltava a tardinha?
E tu não me responde, porque morreste de saudade dele.

E os ventos sopram...


E os ventos sopram cada vez mais fortes

levando-me por vias desnudas

de encontro ao desconhecido.

Nos campos devastados

pela tempestade em fúria,

a razão pela raiz arrancada

larga pelo chão seus talos murchos.

Deixo-me levar inteira, sem medo,

pelas mãos deste vendaval

que me faz flutuar no horizonte

de uma incansável busca

por um destino a desvendar,

um caminho a ser trilhado.

A falta do que nunca tive,

do que nunca vi, nem toquei

embaraça-me o rumo

e me faz quebrar os freios.

Não quero apenas deixar marcas

dos pés nas areias percorridas,

quero ver meus sentidos

lado a lado com meus sonhos

cruzando a linha de chegada.

Mas enquanto isto...

Os ventos sopram cada vez mais fortes

arrastando meus pensamentos

pelas horas entaladas de saudade.


Francineide Lima

Nas galerias da vida

Tem muita coisa exposta

dor, por trás escondida

Na face da obra posta

Ou sorriso largamente

Feito pinceladamente

Numa tela bem composta.


Francineide Lima